Vera Faria
Conte-nos o seu percurso e a razão pela qual escolheu a sua especialidade.:

Li num provérbio italiano “quem faz o que gosta nunca vai trabalhar na vida” a ser verdade, eu nunca irei trabalhar. Sou apaixonada pela minha profissão, e sinto-me realizada e feliz em ajudar os outros.

A escolha pela minha especialidade incidiu numa questão vocacional, dado que o meu lema de vida é ser feliz e procurar sempre essa felicidade interior, logo, procurar a minha vocação foi desde sempre a minha prioridade em termos profissionais.

Que tratamentos realiza no seu dia-a-dia e qual o impacto nos seus pacientes?:

Tenho o privilégio de contactar em consulta com populações muito diferentes. Recebo em consulta pessoas com perfis / profissões bastante distintas, o que permitiu uma vasta experiência e um enriquecimento profissional que considero bastante relevante.

No Consultório procuro proporcionar aos meus pacientes um espaço em que se sintam seguros, de forma a que seja possível construir uma relação de empatia, abertura e confiança. Sempre pautado com base no respeito pelo outro.

Qual o seu principal target e que tratamentos têm mais procura?:

Exerço Psicologia, diária, desde 2003, em consultas com crianças, adolescentes, adultos e seniores, com diferentes problemáticas. Não tenho um target principal, dado que faço atendimento desde a infância até a seniores. No entanto nesta fase pandemia a procura incidiu mais sobre questões familiares, com atendimento quer a crianças quer a casais.

Que alterações tem vindo a observar na sua atividade profissional ao longo do seu percurso (por exemplo, procura, necessidades dos pacientes, intervenção do digital)?:

18 anos e exercer psicologia, deu-me a perceção das alterações significativas e impactos práticos no dia-a-dia das pessoas, por exemplo, o fato do mercado de trabalho ser cada vez mais exigente e competitivo, o fato das nossas crianças terem acesso cada vez mais cedo a meios tecnológicos, a forma como comunicarmos ser cada vez mais imediata, entre muitas outras alterações levou a uma reestruturação na forma como as famílias gerem o seus tempo e as suas vivências e por sua vez a aceleração diária provocou a necessidade de também os profissionais de adaptarem a essas mudanças como por exemplo a realização das videoconsultas sendo com certeza uma forma acessível e prática de dar respostas eficazes, derrubando barreiras geográficas.

Em que medida o digital favorece o contacto e acompanhamento dos seus pacientes?:

A Procura constante de atualização e aprendizagem e crescimento diário quer nos conhecimentos científicos (teórico-práticos) que procuro desenvolver sempre, como também, nas relações humanas que tanto privilegio com todos os que me rodeiam, pacientes, colegas, amigos e, claro está, a família!

Diariamente pretendo contribuir para o bem-estar e acredito que o mais importante para todos nós é ser feliz, logo quero ajudar nessa missão comum.

 

Vera Faria

 

 

Artigos Recentes
doenças neurodegenerativas
Há mais de 600 doenças neurodegenerativas. Percebe as suas principais consequências
Há mais de 600 doenças neurodegenerativas, sendo as mais conhecidas Huntington, Parkinson e Alzheimer (esta...
doenças autoimunes
Sabes o que são doenças autoimunes? Nós explicamos
Numa doença autoimune, é o próprio sistema imunitário que agride o corpo. Por isso, nestes...
prevenção da anemia
Conhece os sintomas e modos de prevenção da anemia
A anemia é uma condição que se caracteriza por um conteúdo reduzido de hemoglobina no...