sandra-cunha
Conte-nos o seu percurso e a razão pela qual escolheu a sua especialidade.:

Sou Coordenadora do departamento de psicologia Associação Projecto Artémis e psicóloga da mesma instituição desde 2005.
Desenvolvo o meu trabalho à 15 anos em psicologia, estando ligada à área do luto e trauma, nomeadamente perda gestacional, desde o início da minha carreira profissional.
Participei em vários seminários nacionais e internacionais, e também dedico muito do meu tempo à formação.

Que tratamentos realiza no seu dia-a-dia e qual o impacto nos seus pacientes?:

Desenvolvo apoio terapêutico individual, de casal e faço moderação de grupos de auto-ajuda e terapêuticos.
As consultas individuais são fundamentais para qualquer ser humano, o processo de conhecimento interno é algo facilitador para a saúde mental, sem haver necessidade de existir qualquer patologia. Nesse sentido, seja qual for o motivo da consulta, há sempre benefícios e mudanças nos pacientes.

Qual o seu principal target e que tratamentos têm mais procura?:

Maioritariamente a procura é feita por adultos, no caso da perda gestacional e luto, verifica-se em alguns casos a procura de apoio psicológico em terapia de grupo.

Que alterações tem vindo a observar na sua atividade profissional ao longo do seu percurso (por exemplo, procura, necessidades dos pacientes, intervenção do digital)?:

Inicialmente as consultas à distância não eram sequer possíveis. Havia também muita vergonha na procura por ajuda psicológica. O ir ao psicólogo era visto como tabu.
Hoje em dia, a intervenção digital é sem dúvida facilitador da procura, as mentalidades também têm vindo a mudar. Pessoalmente continuo a dar sempre preferência ás consultas presencias, contudo as novas tecnologias são uma forma de chegarmos a mais pessoas. Neste momento verifica-se mais procura por ansiedade, depressões, estados limite de cansaço que levam a patologias, em muitos casos que advêm do estado de emergência e do confinamento que estamos a passar.

Em que medida o digital favorece o contacto e acompanhamento dos seus pacientes?:

Em muito, os horários são mais flexíveis, podemos chegar a pessoas de localidades mais distantes, e ás vezes os pacientes sentem-se também mais confortáveis por estarem no “seu” espaço.

 

Sandra Cunha

 

 

Artigos Recentes
doenças neurodegenerativas
Há mais de 600 doenças neurodegenerativas. Percebe as suas principais consequências
Há mais de 600 doenças neurodegenerativas, sendo as mais conhecidas Huntington, Parkinson e Alzheimer (esta...
doenças autoimunes
Sabes o que são doenças autoimunes? Nós explicamos
Numa doença autoimune, é o próprio sistema imunitário que agride o corpo. Por isso, nestes...
prevenção da anemia
Conhece os sintomas e modos de prevenção da anemia
A anemia é uma condição que se caracteriza por um conteúdo reduzido de hemoglobina no...