colite ulcerosa

Colite ulcerosa: de que se trata e quais os seus sintomas

Em Portugal, há aproximadamente 20 mil pessoas com colite ulcerosa. Esta doença corresponde a uma inflamação na região terminal do tubo digestivo que afeta a camada mais interna da parede do cólon e do reto. Esta inflamação é difusa e contínua e pode ter um grau de severidade variável.

Assim, a colite pode ter uma manifestação ligeira ou estar na origem de abcessos e/ou ulcerações. A sintomatologia também não é constante, sendo esta patologia caraterizada por período ativos e inativos da doença, os quais podem variar quanto à sua duração. 

colite ulcerosa

Colite ulcerosa: de que se trata e quais os seus sintomas

Na origem da colite ulcerosa, está uma reação exacerbada do organismo a substâncias de origem alimentar ou a outras que estejam presentes no tubo digestivo. Assim, nas causas desta doença podem estar

  • alterações no sistema imunitário;
  • alterações na vascularização;
  • infeções;
  • alimentos.

Esta doença pode afetar pessoas de qualquer idade, sendo geralmente diagnosticada em indivíduos ainda jovens. Alguns dos seus fatores de risco são: genética; pertencer ao género feminino; viver nas cidades.

colite ulcerosa
pexels-sora-shimazaki-5938354
Sintomas

A sintomatologia associada à colite ulcerosa pode ser súbita ou progressiva. Os seus principais sintomas são intensos e manifestam-se por meio de:

  • diarreia com sangue, pus e/ou muco;
  • dor abdominal;
  • febre;
  • perda de peso.

Outros sintomas que podem estar relacionados com a colite ulcerosa são:

  • artrite;
  • lesões da pele;
  • problemas oculares;
  • hepatite;
  • alterações biliares;
  • anemia.

Nota: Apesar de poder apresentar algumas semelhanças com a Doença de Crohn, a colite ulcerosa atinge apenas as zonas do cólon e do reto.

Diagnóstico

Para chegar ao diagnóstico desta doença é necessário considerar:

  • a história clínica do doente;
  • a sintomatologia manifestada;
  • o exame ao paciente;
  • os exames adicionais, tais como análises ao sangue; análises às fezes; radiografias com contraste; retossigmoidoscopia ou colonoscopia; tomografia computorizada; e ressonância magnética.

 

Todos estes exames, permitem perceber a gravidade da colite ulcerosa e as suas eventuais consequências no organismo do doente.

Tratamento

Para tratar a colite ulcerosa, pode ser necessária a toma prolongada de alguns medicamentos, que aliviem os sintomas e aumentem os períodos de remissão da doença.

Contudo, aproximadamente metade das pessoas com colite ulcerosa precisam de tratamento cirúrgico. Neste caso, é feita a ressecção cirúrgica da totalidade do cólon e do reto. Esta é a solução mais indicada para doentes que:

  • não respondem ao tratamento farmacológico;
  • sofrem de hemorragias graves, perfurações da parede intestinal, infeções ou outras consequências graves;
  • corram maior risco de vir a ter cancro.
Doença de Crohn

Esta é, por isso, uma doença que deve ser diagnosticada o mais precocemente possível, de modo a tentar controlá-la e a evitar ao máximo os períodos de crise. Assim, é importante estar alerta para os sintomas enumerados acima e, caso eles persistam, consultar um médico e realizar exames que permitam fazer o despiste da colite ulcerosa.

Apesar de se poder revelar uma patologia mais ou menos grave e com mais ou menos efeitos secundários, ela acaba sempre por condicionar a vida do doente, principalmente se ele não tiver um acompanhamento médico regular e adequado.

Por esse motivo, se sofres de colite ulcerosa, vai a doctorino.pt e agenda já a tua consulta de gastrenterologia.

colite ulcerosa
Artigos Recentes
Maria Luis capa_blog
A Terapeuta Maria Luís Lopes já está Disponível Para Marcações na Doctorino!
"Ajudar os outros a encontrarem o seu equilíbrio a nível físico, emocional e mental de...
acne capa
Acne: saiba tudo, o que é e como tratar
A acne é provavelmente a doença da pele mais comum na vida dos portugueses. A...
importância da vacinação capa
Importância da Vacinação – 5 razões para se vacinar contra a Covid-19
Como é sabido, a vacina contra a covid-19 não é obrigatória, sendo por isso o...