Dicas para evitares as compulsões alimentares das crianças, durante o isolamento

A interrupção da atividade letiva e o incentivo ao isolamento em casa estão a mudar a rotina diária de milhares de crianças portuguesas. Entre essas alterações estão a menor prática de exercício físico e o maior tempo disponível para comer.

Esse sedentarismo conjugado com um sentimento generalizado de ansiedade pode promover compulsões alimentares, nomeadamente nos mais novos, como o consumo exagerado de alimentos hipercalóricos e de menor densidade nutricional, o que pode contribuir para o aumento de peso e para o aparecimento de outras doenças no futuro. Sabe o que deves fazer para contrariares esta tendência nas crianças.

Dicas para evitar as compulsões alimentares das crianças, durante o isolamento

A alimentação é muito importante na saúde e no desenvolvimento das crianças. Em Portugal, 29,6% das crianças entre os 6 e os 9 anos têm excesso de peso ou são mesmo obesas. Isso significa que a educação alimentar familiar é essencial.

Para evitar um consumo alimentar excessivo, quer por miúdos, quer por graúdos, devem adotar-se algumas medidas. Desde logo, evitar o consumo e, mesmo, a compra de alimentos com elevada densidade energética (bebidas açucaradas, doces, chocolates…) e praticar alguma atividade física.


Recomendações gerais

Além dos conselhos já deixados, é altura mais do que nunca de seguir as indicações da roda dos alimentos. Assim, dar primazia às frutas e aos legumes e à água; equilibrar a ingestão de laticínios; contemplar a carne e o peixe; e evitar as bebidas açucaradas e os snacks.

Assim, ao planificares as refeições diárias de toda a família deves ter em conta os seguintes aspetos:

  • incluir feijão, grão ou ervilhas nos pratos;
  • comer peixe em metade das refeições semanais;
  • privilegiar a fruta como sobremesa;
  • variar entre massa, arroz ou batata, como acompanhamento;
  • consumir diariamente sopa, por exemplo, de legumes;
  • beber água com frequência.

Descobre como devem comer as crianças em isolamento
Fruta e hortícolas

Para os mais novos consumirem as porções adequadas de fruta e hortícolas, é importante incluíres sopa no início das refeições e 2 a 3 peças de fruta na dieta diária. Se os miúdos rejeitam estes alimentos, é importante cozinhá-los e oferecê-los de maneira criativa, seja em forma de purés, seja em conjunto com outros ingredientes saudáveis, mas que sejam mais do agrado dos pequenos.


Águas

Reduzir as bebidas açucaradas (bebidas refrigerantes, néctares e sumos de fruta) e privilegiar a água é essencial. Incentiva a criança a transportar pela casa uma garrafa de água, que pode ser aromatizada com limão, por exemplo, desde que não se adicione açúcar.


Não compres snacks hipercalóricos, ricos em sal, açúcar e gordura

A maneira mais fácil de evitar o consumo destes snacks é mesmo não os ter em casa. Eles constituem uma tentação, sobretudo para os mais novos que já têm acesso ao frigorífico ou à despensa. Portanto, rejeita estes produtos e cria os teus próprios snacks caseiros, recorrendo a ingredientes saudáveis, ricos em fibra e em vitaminas.


Leite e derivados

A maneira mais fácil de evitar o consumo destes snacks é mesmo não os ter em casa. Eles constituem uma tentação, sobretudo para os mais novos que já têm acesso ao frigorífico ou à despensa. Portanto, rejeita estes produtos e cria os teus próprios snacks caseiros, recorrendo a ingredientes saudáveis, ricos em fibra e em vitaminas.


Peixes

É importante incluir na dieta diária peixe, pois ele é uma das melhores fontes de iodo, importante para assegurar um adequado desenvolvimento cognitivo.


Fonte: Direção-Geral da Saúde

Se estás com crianças em casa, consultares um médico pode ser importante para tirares mais dúvidas, acerca da alimentação de toda a família e não só. Por isso, vai a doctorino.pt e marca com todo o conforto e rapidez a tua videoconsulta com um profissional de saúde à tua escolha.